Educando com a Homeopatia

Perguntas Comuns:

Existem medicamentos homeopáticos que são mais fortes do que outros?
Não é uma questão de mais forte ou mais fraco. Existe sim, medicamento adequado ao quadro clínico de cada paciente. O clínico seleciona o medicamento e a potência de acordo com os sintomas do paciente.

Deve-se acordar o paciente para dar o medicamento nos horários marcados?
Normalmente não se interrompe o sono durante o tratamento homeopático, a não ser que seja recomendação do clínico.

Durante o tratamento homeopático é proibido ingerir álcool, café, chá, etc?
Não necessariamente, a não ser que seja recomendado pelo clínico algum tipo de restrição em sua dieta.

Os alimentos interferem no tratamento homeopático?
Sim, não apenas no homeopático, mas em qualquer tipo de tratamento. Preferencialmente, os medicamentos homeopáticos devem ser tomados longe das refeições, a não ser que seja assim recomendado.

Por que os medicamentos homeopáticos não vêm acompanhados de bula?
O medicamento homeopático é indicado pelo conjunto de sintomas do paciente, respeitando sua individualidade. Somente o clínico homeopata está habilitado a fazer esta análise. Doenças iguais podem ser tratadas com medicamentos diferentes. A indicação e a posologia do medicamento homeopático dependem da prescrição médica, devendo, portanto, constar da rotulagem do mesmo desde que esteja determinada na prescrição médica.

O tratamento homeopático provoca efeitos colaterais ou reações adversas?
Pode ocorrer o aparecimento de sinais e/ou sintomas decorrentes da resposta ao medicamento. Neste casos, é importante comunicar ao seu clínico. É por isso que se deve evitar automedicação.

O tratamento homeopático é demorado?
Geralmente não, porém a resposta ao tratamento é individual e, assim o tempo de cura é variável. Um bom exemplo de ação rápida dos medicamentos homeopáticos é sua utilização em casos agudos,onde sua ação restaura rapidamente o estado de equilíbrio da energia vital do paciente.

Posso trocar tabletes por glóbulos, líquidos ou papéis?
As formas farmacêuticas servem como veículo para os medicamentos.
A apresentação não interfere no efeito terapêutico do medicamento, porém é sempre aconselhável seguir a prescrição do clínico. Algumas circunstâncias determinam a opção: os líquidos são recomendados para os diabéticos ou para pacientes sensíveis à lactose; para os que têm restrição ao álcool, recomenda-se o uso de tabletes glóbulos ou papéis. Caso tenha preferência por alguma forma farmacêutica, o melhor é comunicar a seu clínico, para que, se possível, ele prescreva o medicamento na forma farmacêutica de sua preferência adequando a posologia.

O tratamento homeopático provocaefeitos colaterais ou reações adversas?
Pode ocorrer o aparecimento de sinais e/ou sintomas decorrentes da resposta ao medicamento. Nestes casos, é importante comunicar ao seu clínico. É por isso que se deveevitara automedicação.

A Homeopatia trata todas as doenças?
Existem doenças que são incuráveis por qualquer forma de tratamento,devido a lesões irreversíveis nos órgãos. Nestes casos, o que o tratamento homeopático pode fazer é melhorar a qualidade de vida do paciente.

Durante a gravidez e amamentação pode ser feito tratamento homeopático?
Sim, provavelmente será bom para o bebê. Mas, especialmente nesta época, só use medicamentos com orientação de seu clínico.

Se o paciente esquecer de tomar o medicamento em um ou mais horários, comprometerá o tratamento?
O horário de administração do medicamento é importante. Tome assim que lembrar, dando continuidade ao tratamento.

Há diferença entre Fitoterapia e Homeopatia?
Sim, A Fitoterapia é a forma de tratamento, que usa medicamentos de origem vegetal, em forma de cápsulas,tinturas,chá,etc. A Homeopatia utiliza medicamentos de origem vegetal mas também animal e mineral. Além disto, atécnica de preparo dos medicamentos é específica e totalmente diferente da empregada no preparo de fitoterápicos.

Pode-se tomar medicamentos alopáticos ou fitoterápicos durante o tratamento homeopático?
Para isso é indispensável que seja consultado seu clínico, pois ele é a pessoa mais indicada para avaliar a necessidade desta associação.

Fonte: Manual do Consumidor de Homeopatia – ABFH




O QUE É A HOMEOPATIA?

Por Jane Azevedo

A homeopatia é um sistema medicinal alternativo que contempla a totalidade do ser humano em detrimento de doenças isoladas. Ela atua por meio de estímulos energéticos desencadeados por medicamentos homeopáticos com o intuito de reequilibrar a energia vital dos pacientes.

A homeopatia é orientada por quatro princípios: lei dos semelhantes, experimentação na pessoa sadia, doses infinitesimais e medicamento único.

O princípio da lei dos semelhantes estabelece que uma doença específica pode ser curada pela substância capaz de reproduzir os mesmos sintomas da doença. Ou seja: o que causa mal a alguém “saudável” pode curar alguém doente. Se um veneno produz efeitos como vômitos em uma pessoa, a versão homeopática (diluída) desse mesmo veneno poderá tratar pacientes com problemas de vômitos recorrentes, e assim por diante.

A experimentação na pessoa sadia dita que os testes de medicamentos homeopáticos devem ser realizados em pessoas – nunca animais – saudáveis. Dessa maneira, é possível avaliar os efeitos objetivos e subjetivos no grupo de experimentadores (como são chamados) e encontrar, em termos gerais, o “veneno que em doses homeopáticas cura”.

As chamadas doses infinitesimais consistem na diluição drástica de um medicamento e agitação (dinamização) para “despertar” propriedades latentes. Esse princípio causa controvérsias, porque, de acordo com muitos médicos, desafia qualquer lei da física ou bioquímica conhecida: de tão diluído o remédio, é possível que não haja nenhuma molécula mensurável do princípio ativo original. Alguns experimentos, no entanto, indicam que fenômenos ainda incompreendidos da física quântica, poderiam explicar a eficácia dos medicamentos homeopáticos.

O princípio do medicamento único, que suscita debate mesmo entre especialistas em homeopatia, firma que a intervenção deverá ser realizada por vez: o paciente deverá tomar o medicamento que contenha o maior número de estímulos para os sintomas que o paciente apresenta. Apenas dessa forma o homeopata conseguirá avaliar a eficiência da terapia de forma precisa.

Toda a base e a filosofia da Homeopatia estão voltadas para o que sentimos, o que somos, onde vivemos e como vivemos, é o chamado sentimento aflorado. Em uma determinada época da vida isso se torna como um poderoso e penoso fardo, muitas vezes insuportável de se carregar. Para cada medicação possuímos a observação clara de sentimentos, fobias, desejos, sonhos, pensamentos repetitivos e reações corpóreas. Assim procuramos a causa e não a consequência, o que somos e não o que nos tornamos, da onde viemos e não para onde vamos, a nossa essência e não a nossa superficialidade.

---

Bibliografia consultada

(1) Bolimgbroke, Londres-Sociedade de Publicações Homeopáticas, Rua Warwik Lane,E.C. 1888
(2) Homeopatas dos pés descalços:http://homeopatiaparamulheres.blogspot.com.br/
(3) Homeopatia: http://saude.ig.com.br/homeopatia/

MEDICAMENTOS HOMEOPATICOS

Por Jane Azevedo

O que é um medicamento homeopático?

Os Medicamentos Homeopáticos são medicamentos preparados a partir de substâncias naturais provenientes dos três reinos : Animal, Vegetal e Mineral - e não apenas de plantas como muitos acreditam.

No seu preparo são usadas tanto substâncias que possuem ação tóxica, quando usadas em quantidades ponderais (Ex.: arsênico, mercúrio, venenos vegetais e animais, etc.), como substâncias consideradas inertes ou não tóxicas, quando usadas em quantidades ponderais (Ex.: sílica, carbonato de cálcio, plantas não tóxicas, etc.).

A matéria-prima utilizada varia de substâncias inertes (sem efeito terapêutico para a Alopatia, como o Lycopodium) a venenos (de animais peçonhentos), até mesmo outras substâncias de uso terapêutico bem conhecido por todos nós.

Na Homeopatia, tudo é possível: por exemplo, a dor que é eventualmente produzida por uma substância, será curada por esta mesma substância em doses diminutas, segundo as Leis dos Semelhantes. E a Bula?? Alguns pacientes que se tratam com a Homeopatia esperam poder ler bulas de seus medicamentos. Seria praticamente impossível satisfazê-los. Afinal, a medicação homeopática é individual. Só serve para um determinado paciente aquele medicamento específico que o Homeopata prescreveu. Então, a bula de um medicamento homeopático de um paciente será diferente da de outro, mesmo quando a substância utilizada for a mesma. Uma bula única para uma substância poderia ficar do tamanho de um catálogo telefônico, pois existem medicamentos homeopáticos com mais de 4.000 sintomas.

As doses dos medicamentos homeopáticos, para serem prescritos necessitam, além da semelhança com os sintomas do paciente, de uma potência adequada ao caso de cada paciente. Ou seja, precisam ser diluídos e agitados de acordo com a orientação do Homeopata, que avalia isto durante a consulta. Este processo de manipulação do medicamento se chama dinamização. Para obtenção da dinamização, normalmente os Farmacêuticos utilizam, entre outras, as técnicas chamadas de CH (Centesimal Hahnemanniana), de FC (Fluxo Contínuo), que são as mais comuns. Estas técnicas de dinamização podem significar de alguns minutos a dias de trabalho ininterrupto, o que explica as eventuais demoras na feitura de medicamentos que não estejam em estoque.

Como pode ser administrado?

Para que o medicamento homeopático possa ser tomado, é necessário que ele seja veiculado, em substâncias inertes para sua absorção, após a obtenção do medicamento dinamizado. Normalmente usa-se como veículo a lactose, que é o açúcar de leite, nos medicamentos em forma de pós (embalados em papéis) ou em tabletes. Os medicamentos em forma de glóbulos já usam como veículo a sacarose, que é açúcar de cana. Os de forma líquida utilizam na veiculação água alcoolizada e, por isto, têm gosto de álcool. Já as formas de pomadas, óvulos e supositórios são obtidas com as tinturas-mães misturadas em vaselina sólida, ou outros excipientes nas proporções adequadas.

---
O poder curativo dessas substâncias é despertado pela sua diluição e agitação consecutivas. Os efeitos adversos que, eventualmente, podem surgir após a administração de medicamentos homeopáticos, são consequentes de seu uso inadequado. Qualquer substância da natureza, portanto, pode ser usada como medicamento, desde que se conheça sua potencialidade curativa através da Experimentação no Homem São.

Como é despertado o PODER CURATIVO das substâncias?

Através de um processo de diluições e dinamizações sucessivas, a força curativa das substâncias é armazenada nas moléculas de água e álcool da solução utilizada para o preparo dos medicamentos. Por esse motivo usamos a terminologia de Potência para designar as diluições.

O efeito dos medicamentos homeopáticos é percebido apenas nos seres vivos, não podendo ser apreciado por aparelhos ou por reações químicas, dificultando seu estudo pelos métodos utilizados atualmente pela ciência oficial. A informação do medicamento é passada de forma quase que instantânea para os líquidos do corpo no momento de sua tomada, ao contrário do se pensa, ou seja, que a ação do medicamento homeopático é lenta.
--

Para preparar um medicamento homeopático, no caso dos medicamentos de origem vegetal, a planta toda, ou partes dela (raiz, folhas ou flores), é colocada em álcool por alguns dias, para um processo de maceração; em seguida essa preparação é filtrada dando origem ao que chamamos de Tintura-Mãe. O mesmo processo pode ser utilizado para algumas substâncias de origem animal. No caso das substâncias de origem mineral ou quando são substâncias insolúveis em água e álcool, a solubilização é feita por trituração em lactose (açúcar de leite), para em seguida serem diluídas em água e álcool, originando a Solução Mãe.

A preparação em si é muito simples, mas extremamente trabalhosa e exige muitos cuidados. É necessário usar um frasco separado para cada diluição e, após cada diluição, o medicamento é agitado por cem vezes. O processo de agitação chama-se sucussão, uma agitação vertical forte e vigorosa contra um anteparo de consistência firme. Esse processo de diluições e sucussões sucessivas, quando realizado manualmente é chamado de Método Hahnemaniano. Existem outros métodos menos precisos de preparo de medicamentos, como o Método Korsakov que utiliza um único frasco para todas as diluições e dinamizações, e o Método de Fluxo Contínuo, onde o medicamento é preparado por um aparelho que faz a diluição e a agitação ao mesmo tempo . Este último também é usado para o preparo de altas e altíssimas diluições, geralmente acima de 1000.

Temos 3 escalas diferentes de diluição: a Centesimal Hahnemaniana (CH), a Decimal (D ou X) e a Cinquenta Milesimal (LM ou L). Quando a diluição centesimal é realizada pelo aparelho de fluxo contínuo, usa-se a(s) letra(s) C ou FC (Por ex.: C 10.000 ou 10.000 FC).

A partir da Tintura-Mãe (TM) ou da Solução-Mãe (SM), começa-se o preparo do medicamento: toma-se 1ml da TM ou da SM e dilui-se em 99ml de uma solução de água e álcool; procede-se às 100 sucussões e obtemos a CH1; em seguida, toma-se 1ml da solução CH1 e dilui-se em 99ml de água e álcool, mais 100 sucussões e obtemos a CH2. E assim por diante. Procede-se da mesma forma para o preparo das diluições decimais, mas com a diluição de 1:10. Na escala Cinquenta Milesimal a diluição é feita na base de 1:50.000. A partir da Potência CH12 nada mais resta da substância original, mas sua marca fica impressa na solução alcoólica.

Os medicamentos homeopáticos são designados pelos nomes latinos das substâncias que lhes dão origem. Essa nomenclatura é usada em todo mundo. Por ex. : Calcarea ostrearum (pó de casca de ostra), Lachesis muta (veneno da cobra surucucu), Lycopodium clavatum (planta inerte), Aurum metallicum (o metal ouro), etc.

Cuidados com o Medicamento Homeopático

Os medicamentos devem ser conservados ao abrigo do calor, umidade, energia eletromagnética de qualquer natureza emitidas por aparelhos eletrodomésticos, radiações, odores fortes. Por esse motivo, os medicamentos não devem ser guardados junto com medicamentos alopáticos, principalmente os que contenham cânfora (a cânfora pode inativar o medicamento) em sua composição, nem devem ser colocados na frente da televisão, nem guardados em bolsas com perfume ou cigarros, ou deixados nos carros.

Recomenda-se que, sempre que possível, o paciente não ingira alimentos ou qualquer substância com gosto ou cheiro muito fortes por um intervalo de 15 a 30 minutos, antes e após cada dose de medicamento.

--

Bibliografia consultada

1) http://www.aph.org.br/conteudo.php?_p=32&_cnt=29

2) http://www.bvshomeopatia.org.br/saladeleitura/texto5homeopatiamododeusar.htm

3) http://www.bvshomeopatia.org.br/ho.movimentos/defmedic.homeopatico.htm